A rebelião contra a autoridade

Ao acatar a proposta do diabo, Adão foi destituído da posição de autoridade, e tornou-se um escravo na terra. Quando Jesus estava sendo tentado no deserto, o maligno oferece a glória dos reinos deste mundo, e alega ter autoridade sobre eles, porque esta lhe havia sido dada por Adão.

O diabo não tinha autoridade alguma sobre a terra, até que Adão transferiu-lhe toda a sua autoridade ao aceitar a proposta do pecado. Ele tornou-se um impostor, que furtou a autoridade sobre esta terra. Por isto, Jesus teve que fazer-se homem para resgatar a autoridade sobre a Terra através da obediência absoluta a Deus. E Jesus percorre o caminho da submissão, sujeitando-se a seus pais naturais, a João Batista que o batiza, aos sacerdotes e a Pilatos que o julgam, e principalmente a Deus Pai. Desta forma, ao submeter-se, Jesus resgata “toda autoridade, nos Céus e na Terra”.

Três homens tinham autoridade sacerdotal abaixo  de Moisés e Arão, eles eram Coré, Data e Abirão. Mas são enganados pelo maligno, e se rebelam contra a autoridade de seus líderes. Ao afrontar Moisés e Arão, eles são julgados severamente por Deus. Todo o povo de Israel vê a consequência da rebelião. Aqueles homens são engolidos pela terra, que abre uma fenda abaixo deles, e eles desaparecem naquele abismo que se fecha em seguida. A rebelião atrai o juízo de Deus.

Saul foi um homem constituído rei por escolha de Deus e pela unção derramada pelo profeta Samuel. Mas ele desobedece a ordem de Deus, trazida pela boca do profeta. Sua desobediência custou-lhe o reinado. Samuel diz a ele: “a rebelião é como o pecado da feitiçaria”. Quem desobedece a seus líderes está agindo como um feiticeiro. Muitas pessoas desonram seus líderes, menosprezando a autoridade de Deus investida neles. Mas uma simples atitude como esta pode remover a autoridade que Deus lhes havia dado, e esta rebelião pode custar-lhes a vida.