Você é o tipo de pai que “deixa rolar”?

Tenho falado sobre vários modelos de pai que não conseguem compreender as emoções de seus filhos e acabam criando um desequilíbrio na educação de seus pequenos. Existe ainda o pai que deixa “rolar”. Ele é o pai que aceita livremente todas as emoções da criança, ele não a orienta.

Por exemplo, a criança ainda não tem uma idade que consiga transmitir o que quer ou sente; então, ela bate no coleguinha para pegar o brinquedo. O que os pais têm que fazer? Ensinar que não é assim que ela deve agir, ensinar que ela deve pedir. Você ensina a criança que, em vez de bater no outro e pegar, ela peça, pois tem o dom da fala.

O pai “deixa rolar” aceita todo tipo de emoção. Não procura orientar as emoções da criança, é permissivo. Acha linda qualquer emoção da criança; ele não a educa, mas reconforta criança que está experimentando um sentimento negativo. É permissivo e não impõe limites; acha que tem pouco a fazer quanto às emoções negativas, acha que basta o filho liberar as emoções. Mas não é assim; emoções podem e devem ser educadas.

Esse tipo de pai faz com que a criança não aprenda a regular suas emoções e terá dificuldade de se concentrar, de fazer amizades e de se relacionar.