Podemos, sim, escolher o que pensamos e como vamos agir

“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; mas estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz à vida, e poucos são os que a encontram”. Mateus 7:13-14

O interessante em nossas vidas é que nossos relacionamentos são feitos de escolhas; querendo ou não, tendo consciência ou não, você faz escolhas todos os dias. Muitas vezes nós pensamos que por causa do hábito já não fazemos mais escolhas. Mas se a escolha já se tornou um hábito, primeiramente você teve de fazer uma opção. E Jesus mostra que o Evangelho dele é uma opção, é uma escolha. Foi assim desde a criação do homem.

No texto acima Jesus fala sobre o caminho que devemos percorrer para ter uma família e relacionamentos abençoados. Quando falo família, falo de uma reunião de pessoas, de pai, mãe e filhos comprometidos com algo maior. Jesus queria nos mostrar que o caminho que leva a uma vida de resultados é pouco percorrido e depende de nossa escolha. O caminho, no original grego significa “curso de conduta”. Caminho, aqui, significa “forma de pensar, sentir e decidir”. Todos os dias estamos escolhendo o caminho que vamos trilhar em nossos relacionamentos; todos os dias você escolhe o que vai sentir, pensar e agir.

Nossa mente não é como nosso estômago. Quando comemos uma coisa estragada passamos mal e, na hora, lembramos do que está nos causando aquele mal. Mas nossa mente não é assim; ela aceita muitas coisas que não consegue discernir e não tem como colocar para fora o que nos faz mal. Então, devemos estar atentos para fazer escolhas. Nós podemos, sim, escolher o que pensamos e como vamos agir, e é isso que Jesus está dizendo. Ele está dizendo que o caminho é apertado, que sou eu quem determina o curso de conduta que vou viver, a minha forma de pensar e o que vou decidir.