A inteligência emocional

Goleman, classifica a inteligência emocional em cinco capacidades. A primeira “auto-conhecimento emocional” propõe reconhecer as próprias emoções e sentimentos, quando estes ocorrem. “Controle emocional” visa lidar com os próprios sentimentos, ligando-os a cada vivencia. A “auto-motivação” conduz as emoções em prol de um objectivo ou realização pessoal. “Reconhecimento de emoções em outras pessoas”, e por último “habilidade em relacionamentos inter-pessoais”, diz respeito a interacções com outros indivíduos empregando competências sociais.

As três primeiras habilidades são intra-pessoais e são relevantes o auto-conhecimento, e as restantes são inter-pessoais e essenciais para a “organização de grupos”, competência fulcral da liderança, que engloba iniciativa e coordenação de esforços do grupo, tal como conseguir do grupo o reconhecimento de liderança e colaboração espontânea; “negociação de soluções” é uma característica do mediador, prevenindo e resolvendo conflitos; “empatia” e o talento de ao identificar e compreender os desejos e sentimentos dos indivíduos, responder adequadamente de forma a canalizá-los ao interesse comum, finalmente a “sensibilidade social” é a aptidão de encontrar e identificar sentimentos e motivos das pessoas.

“… Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos.” (Goleman, 1998)

Após Goleman ter escrito o livro “Inteligência Emocional”, o assunto ganhou uma enorme repercussão por todo o mundo.

A razão deve-se às pessoas denominadas de “sucesso” (dinheiro, vida social…) não se encontrarem satisfeitas. Assim, existem doze aspectos envolvidos na definação de Inteligência Emocional que ajudam a decifrar este termo.

A consciência ajuda o indivíduo a identificar cada emoção e a entender os seus efeitos, o “controlo” ajuda a resistir aos impulsos, a permanecer calmo/a e a pensar de forma prudente.

A “avaliação” de si próprio auxilia no conhecimento pessoal e na aprendizagem dos erros cometidos. A “visão” cria uma orientação existencial, permitindo uma antecipação dos problemas.A “criatividade”desenvolve a tolerância pelo ambíguo, e a tolerância pela mudança. A “inovação” atua na procura de soluções não convencionais para as dificuldades.
A “ambição” funciona no estabelecimento de metas alcançáveis para atingir os objectivos e a perfeição. A “iniciativa” ajuda na busca das oportunidades e na obtenção de progressos.

O “caráter” é responsável pela definição das responsabilidades e pela compreensão das inaptidões de cada um. A “adaptabilidade” ajuda o indivíduo a aceitar os seus erros e a ser flexível perante os problemas /obstáculos.

A “independência” para não ter receio de atuar e de decidir perante os riscos e a pressão/influência dos outros. O “optimismo” como ferramenta para as tomadas de decisão, mantendo a fé no potencial sucesso.

Fonte: Blog Inteligêncial Emocional