Aprenda a criar bases para o sucesso permanente

Todo líder precisar criar bases para o sucesso permanente que o leva ao crescimento constante. Não tem como sair da mesmice sem se arriscar. Um bom líder enfrenta o medo do fracasso e tem coragem de se arriscar todos os dias.

O bispo Rodovalho é exemplo de um líder que tem o sucesso permanente, por que sempre está acrescentando, independentemente de crescimento numérico da Sara, ele tem os desafios que tomou como pessoais, como televisão, rádio e espaço na mídia. Isso é algo que ele não faz por ele pessoalmente, mas para a instituição. Quando ele luta por um canal de televisão em Campo Grande, por exemplo, o beneficiado direto disso não é ele, e sim o bispo local. Da mesma forma, a rádio ou a televisão em São Paulo beneficia os bispos de lá. Contudo, ele tomou esse papel para si. Ele trabalha, pensa e sonha em algo grande para que toda a igreja possa crescer e ter sucesso. Meu desejo é que você também como líder trabalhe pelo sucesso de seus discípulos, pastores e bispos. E a melhor forma de fazer isso é desafiando-os e criando condições para o crescimento deles.

Dar desafios é a melhor forma de condicionar seu discípulo ao sucesso, pois ninguém pode mostrar seus real valor se não for desafiado. Claro que, para isso, o líder tem que criar as condições para que haja o crescimento, mas primeiro de tudo ele precisa saber se o discípulo quer aquilo. A primeira pergunta que o líder precisa fazer ao discípulo é: aonde você quer chegar?

Às vezes o líder tem grandes sonhos para seu discípulo, mas ele não quer aquilo. Durante nossa caminhada ministerial, nós já tivemos vários casos de pessoas que não queriam ir muito longe, e nós soubemos identificar e tratar ela de acordo com suas ambições. O líder precisa saber qual é o desejo de quem está abaixo dele e até onde essa pessoa quer chegar. Porque não basta o líder ter um alvo para alguém, essa pessoa precisa querer.

Não adianta ter grandes sonhos para seu discípulo se ele não desejar aquilo. Nada é mais poderoso do que a vontade do ser humano. Se a pessoa não deseja crescer, ela destrói tudo o que é colocado em suas mãos. Desafie a pessoa, saiba se é isso que ela quer e depois coloque isso debaixo de oração, pois Deus é quem opera em nós tanto o querer como o efetuar. E Ele precisa, através da sua oração e intercessão, gerar no discípulo um desejo maior do que o seu, pois se o desejo do discípulo não for maior do que o do líder, esqueça.

Metas não são dadas as pessoas para desanimá-las, mas para levar elas a novos patamares. Quem recebe uma nova meta deve sentir-se feliz, pois isso só acontece porque ela se tornou digna de confiança. Certa vez, uma pastora me disse: “Você acreditou mais em mim que eu mesma”. O princípio é esse mesmo. Eu prefiro viver acreditando que morrer duvidando.

Meu filho, Samuel, mesmo sendo inteligente, não gostava de estudar. Ele se inscreveu em um dos cursos mais concorridos de uma faculdade e recusou-se a ser matriculado num curso para vestibular. Decidi fazer meu papel de mãe – estudamos e oramos juntos. Entre seus amigos, ele foi o único que conseguiu uma vaga naquela instituição. O líder precisa pagar o preço necessário, pois, no final das contas, nossos discípulos são como filhos para nós. Nosso papel é fazer as pessoas terem confiança em si.

As pessoas acreditam a vida toda que não podem ou que não conseguem. E o seu papel de um líder é pegar pessoas desacreditas e fazer com que acreditem nelas mesmas. Essa é a grande verdade da liderança.