Minha experiência com a maternidade

Eu tenho um privilégio de ser mãe de três filhos e ter a minha mãe ainda comigo aos 94 anos. Eu me sinto privilegiada de ter a minha porque mãe nos inspira, nos dá caminho, segurança, está sempre ao nosso lado torcendo por nós. Eu fui mãe muito jovem, aos 19 anos, sempre desejei ser, mas a gente não tem noção da responsabilidade e de tudo que envolve a maternidade.

Eu dou graças a Deus porque ter uma mãe e comunhão com Deus me ajudou muito. Apesar de não ter nascido em lar evangélico, minha mãe sempre foi de princípios, colocou limites, então eu tive muita estrutura da minha família de origem. Um dos grandes desafios para mim como mãe foi ter que levar meus filhos pequenos para a igreja e eu vejo que muitas mães desistem nessa hora. Certo dia eu encontrei uma mãe que me abraçou, tava com dois filhos e falou: “nossa bispa eu amo a igreja, amo a Sara, mas não estou frequentando porque não consigo tempo por conta dos meus filhos”. Eu falei: “Querida, a hora que você mais precisa da igreja, da Casa de Deus, é agora com seus filhos, você tem que ensiná-los, desde pequenos, o que é a igreja e o que ela representa. Seu filho valoriza o que você valoriza”.

Estou vendo que as mães de hoje, do século XXI, estão abrindo mão disso, achando que “ah, quando eles estiverem maior eu levo, aí tem a escola dominical, salinha das crianças para ensiná-los”. Ninguém ensina seu filho, sua filha. Claro que nós somos influenciados por professores, influenciados por outras pessoas, mas a pessoa que mais influencia é o pai, a mãe e a família que está mais perto, então a posição da mãe é muito importante.

Ali com três filhos com sacola, sem ninguém pra ajudar, sempre eu estava na igreja, eles dormiam, colocava no banco perto de mim dormindo e as pessoas falavam: você não tem pena dos seus filhos?”. Não, eles são bem aventurados de poder estar na casa de Deus. Samuel não dormia na casa de Deus? A Bíblia fala que ele dormia perto da arca, então se Samuel dormia perto da arca, os meus filhos não podem estar na presença de Deus? Então nós temos que mudar isso, nós temos que mudar essa percepção de querer dar um super conforto para os filhos às custas da vida espiritual deles. Hoje os pais do século XXI estão muito preocupados em dar coisas para os filhos, dar conforto e estão esquecendo que a coisa principal é dar formação espiritual que com essa formação também vem a formação emocional, a formação do ser humano.

Hoje meus filhos são adultos, pais e eu fico muito feliz porque na terapia familiar diz que você ver o resultado do seu trabalho não é nos seus filhos é na geração dos seus netos e eu estou vendo que os meus filhos estão criando os meus netos como eu os criei, com limites, com amor, participam da igreja, valorizam a igreja, tudo que eles falam, eles falam de Deus, então isso é maravilhoso porque você não forma só uma geração, você forma as suas próximas gerações. Agora, desafio a gente tem pra tudo, a vida é um desafio.

Se você não sabe ser mãe, você aprende. A igreja é o lugar para isso, a célula que você participa, seu pastor vai te ensinar, porque muitos não tiveram a experiência de um lar, no dia a dia de um lar, de poder sair da igreja, de casa ir para a igreja, eles não sabem o que é isso. Então você vai ter que começar na sua família um ritual. Eu como psicóloga ensino dentro do consultório os rituais. As famílias que prevalecem são as famílias que tem rituais. E ir à igreja é um ritual, orar na hora da refeição é um ritual, não um ritual enfadonho mas um ritual que vai ficar pra vida, que vai formar o caráter. Eu acho muito interessante que toda minha vida eu orei na hora da refeição, eu orava que Deus abençoasse a comida e desse o alimento àqueles que não tem e eu me emociono muito porque todos os meus filhos oram assim e todos os meus netos. Eles não deixam de orar por aqueles que necessitam. E se nós somos mães que queremos mudar nossa família, nós temos que ter esse entendimento, temos que ser primeiro, antes de ser mãe, ser mulher de Deus. Antes de ser mãe, ser esposa, porque é o apoio do seu marido que te dá essa força, que te dá essa disposição e eu creio que uma igreja com mães capacitadoras, mães transformadoras, pode transformar o mundo, porque uma mãe transforma o mundo.