Por que se relacionar é tão importante?

Deus não criou o homem para viver só! Deus nos fez semelhante o bastante para amarmos uns aos outros, mas diferentes o suficiente para termos necessidade de unir nossas forças e diferenças para nos aperfeiçoar. Por isso, para que casamentos ou famílias, ou qualquer outro relacionamento alcance todo o seu potencial, é preciso que maridos e esposas, mães e pais, homens e mulheres trabalhem juntos com o mesmo propósito, respeitando e acreditando na força um do outro, ou seja, relacionando-se.

Estudiosos creem que a razão porque Deus não nos criou neurologicamente mais maduros, capazes de cuidar de nós mesmos, após pequena assistência inicial dos pais, foi para que nos tornássemos interdependentes uns dos outros, gerando em nós o amor e o sentido de família. Se não fosse essa vulnerabilidade, talvez a nossa inteligência nos levasse para longe uns dos outros e nos desagregássemos.

Os seres humanos têm necessidade de cuidados básicos como alimentação, higiene, amor, aconchego. Na medida em que vamos sendo cuidados, laços afetivos vão se desenvolvendo e nos vinculamos uns aos outros. É assim que aprendemos a amar. Entretanto, na prática, vê-se o despreparo das pessoas nos relacionamentos. Vemos famílias desestruturadas, casamentos desmoronados, filhos abandonados, amizades acabadas; a solidão se torna uma epidemia social.

Os relacionamentos são muito importantes porque geram uma vida saudável. O desejo por relacionamentos está presente na personalidade humana pela razão básica de que quando nos ligamos a outras pessoas é que conseguimos suprir nossas necessidades de afeto, e amor. Já nascemos com uma necessidade de estabelecer relação significativa com outras pessoas. A nossa necessidade de relacionamentos foi estabelecida pela vontade de Deus.

Eles também fazem parte do cumprimento da nossa missão. Esta missão para qual Deus nos enviou, mas do que evangelismo requer consolidação, discipulado, ou seja, para conseguirmos cumprir a missão de Deus para nós cristãos, precisamos de relacionamentos. Porque para evangelizarmos, consolidarmos e discipularmos, devemos exercer com pessoas que, a princípio são estranhas para nós, uma crescente dose de desprendimento, de renúncia a valores e apegos pessoais, de forma a nos doarmos, para que elas possam viver a sua salvação. Precisamos aprender mais sobre relacionamentos, pois é sobre um sólido relacionamento cristão, com as pessoas em geral, que está fundamentado o sucesso da missão que Deus nos confiou.